04/04/2016 - 17h19 | Atualizado em 22/09/2017 - 21h21
Por Administrador - admin@amapi.org.br

Memórias e "Causos" do Des. Valério Chaves

Artigo de autoria do magistrado Elmar Carvalho

Na semana passada, ao caminhar no calçadão da Raul Lopes, em companhia dos magistrados Raimundo Lima, Carlos Barbosa, Antônio Lopes, des. Boson Paes e o funcionário da Justiça estadual Luís Américo Campelo, encontrei o des. inativo Valério Chaves, que nos convidou a acompanhá-lo até seu carro, estacionado do outro lado da avenida.

Recebemos então, devidamente autografado, seu mais recente livro, titulado Casos de Justiça e outras histórias que a vida conta. Ao que tudo indica, o desembargador, em sua humildade e certa timidez, não fez estardalhaço de sua obra e não a lançou em solenidade festiva. Simplesmente a editou e a está distribuindo a pessoas de sua estima e consideração, além de parentes e amigos.

Sem óculos no momento, não pude, de imediato, ler a simpática e amável dedicatória que ele me havia feito, o que só fiz ao chegar em casa. O livro, de 173 páginas, bem impresso, contém suas memórias, sobretudo as de sua meninice, adolescência e parte da juventude, e um conjunto alentado de “causos” jocosos, sérios ou interessantes, dos quais ele foi protagonista, coadjuvante ou observador, muitas vezes em decorrência de sua função judicante.

O des. Valério Chaves é uma das figuras paradigmáticas do Poder Judiciário Piauiense, pela sua notória honradez e probidade, e por sua humildade; humildade de quem nunca procurou ser honrado pelas vestes talares que envergou, mas de quem procurou honrar a toga que vestiu. Exerceu a magistratura, tanto no primeiro como no segundo grau, com inteligência emocional e sabedoria de vida, creio que hauridas e aperfeiçoadas ao longo de sua vida.

Nasceu no povoado Cocal, então município de Guadalupe, em 28 de abril de 1941, filho de Fernando Pereira Pinto e Dorcas Ferreira Pinto, que lhe ensinou as primeiras letras. Na cidade de Nova Iorque (MA), em 1957, concluiu o primário. Dois anos depois seguiu para Teresina, onde prestou o serviço militar.

Como podemos perceber da leitura de seu livro, mormente em suas memórias, estampadas na parte introdutória, mas também em várias crônicas de caráter memorialístico, em que narra episódios interessantes e algumas vezes pungentes de sua trajetória, foi um menino e um adolescente pobre, que muito cedo teve de trabalhar, no amanho da terra e no pastoreio das poucas “criações” de seu pai.

Contou esses episódios com sobriedade, sem dramaticidade, sem se atribuir status de herói. Mas de fato ele foi um herói do cotidiano, da luta renhida pela sobrevivência e para obter as suas conquistas. Sua escalada foi lenta e gradual, sem atropelos e açodamentos, porque desprovido de ganância e infenso a querer subir a qualquer preço. Por isso mesmo encerrou sua carreira como um magistrado digno e respeitado.

Casos de Justiça e outras histórias que a vida conta nos dão exemplos de vida, nas diferentes etapas da trajetória de seu autor, desde a infância modesta, em que foi chamado, para honra sua, de menino lenhador, de adolescente aguerrido no trabalho e no estudo, até o final da juventude em que, com muito esforço e obstinação, foi amealhando as suas conquistas, especialmente no jornalismo, no radialismo e na magistratura piauiense.


21/09/2017 as 04:38h

NESTOR RIOS E AS MADEIXAS DE GETúLIO

Artigo de autoria do magistrado Elmar Carvalho

21/09/2017 as 04:38h

DISCURSO DE RECEPçãO A QUATRO ACADêMICOS NA APAL

Autor: magistrado Elmar Carvalho

21/09/2017 as 05:44h

NOTURNO DE OEIRAS NO HOTEL DO SESC

Artigo de autoria do magistrado Elmar Carvalho

21/09/2017 as 04:38h

NO CEMITéRIO DA RESSURREIçãO

Artigo de autoria do magistrado Elmar Carvalho

22/09/2017 as 19:50h

PEC 63: é CHEGADA A HORA DE VALORIZAR A CARREIRA DA MAGISTRATURA

Artigo de autoria do juiz Leonardo Lúcio Freire Trigueiro, presidente da Amapi

21/09/2017 as 04:41h

UMA NOVA ROTINA CONTRA A IMPUNIDADE

Artigo de autoria do magistrado João Ricardo Costa, presidente da AMB